sábado, 11 de maio de 2013

Desafios no combate ao Trabalho Infantil, a menina maragogipana e a ONU


A poucos dias escrevemos sobre a "Dura realidade do trabalho infantil em Maragogipe" com base no relatório da  Repórter Brasil que publicou a foto de uma menina maragogipana (veja abaixo) em um contexto sobre o Trabalho Doméstico Infantil, neste mesmo texto lembramos que este trabalho infantil não está somente ligado à casa de familiares, mas no trabalho da urbe e da zona rural, assim como da Prostituição Infantil.


Menina marisqueira em Maragogipe, na Bahia - Foto João Roberto Ripper / Imagens Humanas
Aqui em Maragogipe esta é uma realidade pouco tratada e poucas são as pessoas com coragem de denunciar. Lembro que a Secretaria de Reparação Racial e da Mulher de Maragogipe, ainda sob a gestão de Marina, na gestão anterior, enfrentava a dura realidade e a pouca frequência de mulheres que realmente denunciavam tais atos. Não sei muito sobre a atual gestão. Vale lembrar que, em muitos dos casos, até estas mulheres (mães em muitos casos) fazem parte deste jogo sujo e imundo.

Certamente, a discussão que está sendo feita lá em Brasília, com deputados, senadores e especialistas no assunto, talvez não abordará especificamente o tema no nosso município. Lá a discussão terá um contexto geral, pontuando exemplos específicos como base para seus argumentos. Todavia, esta imagem da menina maragogipana está rodando o mundo através das mídias sociais com exemplo do trabalho infantil no Brasil e esta realidade é nossa.

Hoje, novamente, eu entrei no site da ONU Brasil para ler mais sobre o Tráfico Internacional de Pessoas e a campanha que o Brasil está aderindo, e Bak: Lá vai meu olho direto na imagem da menina maragogipana em uma matéria intitulada "OIT participa de lançamento de relatório sobre desafios no combate ao trabalho infantil". Veja matéria:


Um novo relatório sobre trabalho infantil foi divulgado na última quarta-feira (8) em Brasília. Intitulado “Brasil Livre do Trabalho Infantil: o debate sobre as estratégias para eliminar a exploração de crianças e adolescentes” e elaborado pela ONG Repórter Brasil, o documento foi lançado durante a reunião da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Humanos no Congresso Nacional e contou com a presença de representantes da Organização Internacional do Trabalho (OIT).
Para debater os diferentes aspectos do problema, o relatório apresenta dados gerais sobre o trabalho infantil e as dificuldades a serem enfrentadas no campo político, da justiça e cultural. Na sequência, traz quatro capítulos, analisando em profundidade as piores formas de trabalho infantil, focando o trabalho doméstico, o urbano informal e ilícito, o trabalho rural e a exploração sexual comercial de meninas e meninos.
E aí, o que você acha do Trabalho Infantil em Maragogipe? 

Reações:

0 comentários: